Mostrando postagens com marcador Encantadas. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Encantadas. Mostrar todas as postagens

Resenha | Poder (Encantadas #3) de Sarah Pinborough

Acordar uma princesa pode ser letal.

Para fãs de Once Upon a Time e Grimm, a série Encantadas prova que contos de fadas são para adultos! Quando um príncipe mimado é enviado pelo seu pai para tentar desvendar os mistérios de um reino perdido, ninguém imagina os perigos que ele encontrará pela frente! Acompanhado da figura sóbria e sagaz do Caçador e de Petra, uma jovem valente que possui uma ligação muito forte com a floresta, o príncipe acaba encontrando um reino adormecido por uma estranha magia.

Todos os seres vivos foram cercados pela densa mata e estão dormindo, em um sono pesado demais, que só poderia vir da magia. Mas que tipo de bruxaria assolaria uma cidade inteira e seus habitantes? E, principalmente, quem faria mal a uma jovem rainha tão boa e tão bela? A não ser, claro, que os olhos não percebam o que um coração cruel pode esconder...

Poder é o terceiro volume da trilogia Encantadas, e traz como história principal o conto da Bela Adormecida. Porém, esqueça os clichês tradicionais e se entregue a uma nova visão dos contos de fadas, em que heróis e anti-heróis precisam se unir para não perecerem à beleza superficial de princesas e rainhas egocêntricas e aos príncipes em busca de aventuras.



 Série Encantadas | Fantasia | 224 páginas | Ano 2014 | Única | Skoob 
Lido em 1 dia | Avaliação 4 estrelas

 
"– Sonhe conosco para sempre – sussurrou ele. – E seus sonhos podem ser maravilhosos."
Esse livro é o que mais apresenta uma variedade de personagens, de histórias que já conhecemos como A Bela e a Fera, Chapeuzinho Vermelho, Rapunzel, A Bela Adormecida, Rapunzel e ainda temos Rumpelstiltskin. No decorrer dos três livros é possível perceber a constante luta entre o bem e o mal dos personagens, independente de suas tendências a serem os mocinhos ou vilões da história.

É diferente ver a forma com a autora reescreveu a saga de uma forma inusitada e conseguindo fazer com que as histórias tão conhecidas de todos se encaixem de uma forma diferente, aos poucos vemos alguns personagens mostrarem personalidades fortes enquanto outros muitas vezes se mostram fracos e manipuláveis.

"O príncipe ficou olhando fixamente para o fogo, dividido entre a tristeza e a comemoração, entre a Bela e a Fera, então deixou a clareira."

Dos três livros da série, esse é o que apresenta cenas mais fortes no decorrer da história, a ligação entre os três livros é tão grande que acaba não importando muito de qual você vai começar a leitura.

"- Ela estava dormindo? - perguntou Petra - Ela está acordada agora?
- Não, Fui até a casa dela. Estava morta na cama. Assassinada. Queria saber se ela atraiu para sua cama um homem com uma mulher com mais ciúme que medo."

A maior parte da história desse livro gira em torno da história da Bela Adormecida, que também é a Bela e a Fera, tudo isso em uma única pessoa. Descobrimos que nessa releitura Rumpelstiltskin tem uma filha, que ele deixa em uma torre com uma bruxa, e o nome dela é de uma garota conhecida por todos por ter um longo cabelo.

"- Quem são vocês? - sua voz era doce e suave. - O que aconteceu? - Ela olhou para o dedo enfaixado e para o sangue no chão, e seus olhos se arregalaram, já não mais confusos. - Havia um fuso. Rumpelstiltskin!"
A história que passa nesse livro acontece antes dos outros dois livros anteriores, o rei e a rainha percebem que seu filho é um garoto mimado e sem responsabilidades, que só tem interesse em farrear e aproveitar os prazeres da vida, os dois acreditam que se o filho viver uma aventura talvez ele amadureça um pouco, por isso pedem para que ele vá a um reino distante - onde paira um grande mistério – em busca de riquezas para o castelo, com o intuito que essa aventura aconteça de fato eles chamam um jovem caçador da vizinhança para garantir a segurança dele – mas sem que o próprio príncipe saiba.

A viagem acontecia de forma tranquila até que os dois rapazes escutam um grito vindo de uma casa no meio da floresta, local onde acabam encontrando uma senhora e sua neta que estavam sendo atacadas por um lobo – que eles acabam matando – com isso eles conseguem um lugar para passarem a noite e com uma boa refeição, aos poucos eles começam a conversar e o caçador fala sobre a viagem e os planos deles, depois ouvem a velha senhora falar dos mistérios que rondam aquelas terras e convence sua neta Petra a acompanhar os dois rapazes em sua aventura. Após saírem da casa da avó eles continuam a viagem que é longa e cansativa, mas assim quem conseguem chegar no reino eles encontram alguma coisa estranha, todos os moradores da cidade estão em um sono profundo e parecem não acordar de jeito nenhum.
"Não seja boba, querida. Não são só os homens que precisam de uma aventura, sabia? Todo mundo precisa encontrar o próprio destino. E se há alguma coisa além daquele muro que está chamando por você, precisa descobrir o que é. As coisas são assim."
Eles encontram um castelo e uma princesa adormecida com um machucado no dedo de onde caem gotas de sangue, o caçador estaca o ferimento no mesmo instante em que o príncipe encantado pela beleza da garota lhe dá um beijo, despertando não somente ela como todo o reino. Eles passam algum tempo tentando entender o que acontece no castelo, mas aos poucos, coisas estranhas começam a acontecer, eles descobrem que aquela mulher não é somente Bela, como também tem um outro lado que revela também uma Fera. É no castelo que o caçador encontra algo que ele possui nos dois primeiros. No final do livro ainda encontramos uma entrevista da autora que mostra como surgiu a ideia de escrever o livro.
"Depois de duas horas ou mais tentando abrir caminho, cortando galhos e cipós grossos que formavam a muralha densa, estava claro para os três viajantes que não havia nada de natural ali."



Resenha | Feitiço (Encantadas #2) de Sarah Pinborough

Cuidado com o que você deseja!

Para fãs de Once Upon a Time e Grimm, a série Encantadas prova que contos de fadas são para adultos!

Você se lembra da história da Cinderela, com sua linda fada madrinha, suas irmãs feias e um príncipe encantado? Então esqueça essa história, pois nesta releitura de Sarah Pinborough ninguém é o que parece.

Em um reino próximo, a realeza anuncia um baile que encontrará uma noiva para o príncipe e parece que o desejo de Cinderela irá ganhar aliados peculiares para ser realizado. Contudo, não será fácil: ela não é a aposta de sua família para esse casamento real, e sua fada madrinha precisa de um favorzinho em troca de transformar essa pobre coitada em uma diva real.

Enquanto isso, parece que Lilith não está muito contente com os últimos acontecimentos e, ao mesmo tempo em que seu reino parece sucumbir ao frio, ela resolve usar sua magia para satisfazer suas vontades.

Feitiço é o segundo volume da trilogia iniciada com Veneno, um best-seller inglês clássico e moderno ao mesmo tempo em que recria as personagens mais famosas dos irmãos Grimm com personalidade forte, uma queda por aventuras e, eventualmente, uma sina por encrencas. Princesas, rainhas, reis, caçadores e criaturas da floresta: não acredite na inocência de nenhum deles!


 Série Encantadas | Fantasia | 247 páginas | Ano 2013 | Única | Skoob 
Lido em 1 dia | Avaliação 3 estrelas

 
"– Nós não contamos para você porque era pequena demais. Sentimos pena. – Lágrimas frescas encheram seus olhos. – Nós amávamos você. Você era uma bonequinha linda minha e de Ivy. Minha mãe costumava pegar você no colo e lia histórias e acariciava seus cabelos até você dormir. Por que você acha que quer tanto se casar com um príncipe? Que acha que contou a você essas belas histórias de palácios?"
Mais uma vez a autora Sarah Pinborough nos surpreende com uma história de princesas bem diferente do que conhecemos, afinal, todos sabem da Cinderela, com sua madrasta má e as duas meias-irmãs insuportáveis não é mesmo? Mas essa releitura do conto vai muito além disso, afinal, a fada madrinha não é tão boazinha como conhecemos. A escrita da autora é simples de acompanhar e gostosa de ler, fácil de entender e de se envolver, assim como o primeiro livro esse também conta com uma capa bonita que é fácil deixar sem palavras.
"- O que? - Ele franziu o cenho - Você está brincando, não está? Ele é um ladrão. Que importa ele para você?"
Nessa história encontramos um cenário bem parecido com o da Disney, contudo podemos de fato acreditar em algo que está na sinopse, principalmente o fato de “ninguém é o que parece”.
"… A beleza é fácil com dinheiro, e essas pessoas têm o melhor de tudo que existe…"
A própria Cinderela, não é aquela garotinha de bom coração que sofre por tudo, muito pelo contrário, vemos uma garota bastante invejosa, que só consegue ver a meia-irmã, Rose, como uma coisinha feia que não mede esforços para ficar bonita.

Vemos ainda alguns personagens no conto original, a madrasta não é aquela mulher tão ruim como no conto que conhecemos, muito pelo contrário, conhecemos uma mulher que se preocupava com Cinderela, que cuidou dela quando criança e se casou com o pai da menina por amor e não interesse em dinheiro, passamos a ver que ela desistiu de um casamento em que tinha status, era bem vista pelas pessoas e se casou com um homem que não seria capaz de sustentar seu estilo de vida dentro da corte.

O pai da Cinderela nessa história ainda está vivo, e se mostra muito relapso com relação à filha, de como as filhas da segunda esposa sempre conseguem o que querem enquanto a própria filha é de certa forma deixada de lado.

Uma de suas meias-irmãs, Ivy, se casou com um visconde a fim de tentar melhorar de vida, mas isso serviu somente para ela, as vantagens não se estenderam para a mãe e sua outra irmã.

Sua outra meia-irmã, Rose, se mostra uma mulher mais forte do que imaginamos, ela mostra que se preocupa com Cinderela.

A fada madrinha está longe de ser uma pessoa velha e boazinha como conhecemos e ir bonita para o baile tem o seu preço, Cinderela precisa encontrar algo para a fada quando estiver dentro do castelo.
"A beleza nunca foi a minha maior qualidade. E você não tentou cortar meu dedo do pé, foi eu."
Nesse momento começamos a ver várias ligações com a história do livro anterior, afinal a fada madrinha é uma rainha que já conhecemos, isso mesmo, na verdade a fada madrinha é mesmo a madrasta de Branca de Neve, enquanto o único ratinho que é amigo de Cinderela nessa história é o próprio caçador, temos uma participação de um garoto que gosta de tirar dos ricos e dar para os pobres, todo mundo sabe o nome dele não é mesmo?!
"A beleza pode ser subestimada — Seus olhos escuros pareciam zombar dela — E ela acaba."
Esse príncipe que está à procura de uma noiva, já é casado, com uma garota muito bonita e que está adormecida em um caixão de vidro.
"Cinderela o encarou com um frio na barriga que subiu e congelou-lhe o rosto como se fosse gelo."



Resenha | Veneno (Encantadas #1) de Sarah Pinborough

Sexy, sarcástico e de prender a respiração!

Para os fãs de Once Upon a Time e Grimm, Veneno é a prova de que contos de fadas são para adultos! Não existe 'Felizes para sempre'!

Você já pensou que uma rainha má tem seus motivos para agir como tal?

E que princesas podem ser extremamente mimadas?

E que príncipes não são encantados e reinos distantes também têm problemas reais?

Então este livro é para você! Em Veneno, a autora Sarah Pinborough reconta a história de Branca de Neve de maneira sarcástica, madura e sem rodeios. Todos os personagens que nos cativaram por anos estão lá, mas seriam eles tão tolos quanto aparentam?

Acompanhe a história de Branca de Neve e seu embate com a Rainha, sua madrasta. Você vai entender por que nem todos são só bons ou maus e que talvez o que seria 'um final feliz' pode se tornar o pior dos pesadelos!

Veneno é o primeiro livro da trilogia Encantadas, e já é um best-seller inglês. Sarah Pinborough coloca os contos de fadas de ponta-cabeça e narra histórias surpreendentes que a Disney jamais ousaria contar. Com um realismo cínico e cenas fortes, o leitor será levado a questionar, finalmente, quem são os mocinhos e quem são os vilões dos livros de fantasia!


 Série Encantadas | Fantasia | 224 páginas | Ano 2013 | Única | Skoob 
Lido em 1 dia | Avaliação 4 estrelas

 
"- Ela está velha demais para esse apelido – disse a rainha. Ela estava de pé junto á janela do quarto de dormir real olhando para o pátio abaixo. O sol da manhã descia sobre o solo, mas o ar ainda estava frio. Ele tremeu. - Ela precisa começar a se comportar como uma dama. Uma princesa."
Pela primeira vez vemos a história da Branca de Neve contada por um outro ponto de vista que não é o da princesa e confesso que me agrada muito mais do que as histórias contadas pelo ponto de vista da Branca de Neve, pelo que vemos no decorrer dessa história eu compartilho da ideia da madrasta de que a princesa é uma garota bastante mimada.
"A que se devia essa necessidade de ser benevolente? Se é para ser cruel então admita isso. Abrace isso. Qualquer outra coisa era apenas ilusão e fraqueza."
A história foi escrita de uma forma incrível e a autora teve um enorme cuidado de não deixar nenhuma ponta solta que deixasse o leitor confuso ou perdido. Vemos ainda como a nova rainha, Lilith tem que aguentar as constates comparações com a antiga rainha e a constante lembrança de que ela nunca será tão amada como ela.
"Ninguém ousaria desafiar as ordens da rainha, por mais que odiassem ver sua amada princesa tão infeliz. E ela estava desesperadamente infeliz, mas esse, no fim das contas, dizia a rainha a si mesma, era o propósito. Por que Branca de Neve concordaria com um casamento se fosse feliz em casa? A rainha queria que ela sumisse dali. Precisava que ela sumisse. E se havia uma coisa que tinha aprendido em toda a sua vida era que não se conquistava nada sem um pouco de sofrimento."
O livro tem uma diagramação tão simples e a leitura flui de forma tão natural que é fácil se perder em meio a trama e no fim se assustar e só perceber o que aconteceu quando já estiver nas últimas páginas do livro, querendo uma continuação para essa história.
"Se a beleza de Lilith era etérea,então Branca de Neve era terrena. Rústica e sensual"
O maior problema que vejo em releituras é justamente o desafio que os autores tem, afinal, eles precisam contar de uma forma interessante e cativante uma história que muitas vezes já é de conhecimento geral das pessoas e isso é bem complicado. Mas nesse caso a autora conseguiu fazer com que a história fosse vista de outra forma, como apesar da rainha continuar sendo a vilã, a  Branca de Neve não passava de uma garota mimada.
"Então Branca de Neve tinha despertado pelo beijo do verdadeiro amor. Ela quase riu. Boa sorte para eles."



Todos os direitos reservados @2016 - Programação: Algodão Doce Design