Resenha | Dias de Sombras (Nightshade #0.5) de Andrea Cremer

Este é uma prequel, que é tipo uma introdução para apresentar um dos personagens principais do primeiro livro.






Série Nightshade | Fantasia | 79 páginas | Ano 2010 | Skoob
Lido em 1 dia | Avaliação 3 estrelas

"O ar que entrou quando eu abri a janela estava seco, afiado e penetrante. Tremi reflexivamente."
A história começa com Seamus recebendo uma ligação de seu tio, onde é informado que irá se mudar de cidade, logo vemos ele contar isso para Ally e a partir daí vemos que o garoto tem um grupo de amigo que vai sentir a sua falta de uma forma que ele mesmo nem imaginava, mas eles estão dispostos a fazerem as últimas noites do garoto em Portland inesquecíveis, dando a ele várias despedidas.

Assim que ele chega no seu novo lar, é fácil perceber que ele e o tio não possuem exatamente uma boa relação, ela é mantida por respeito, mas não se trata de duas pessoas que vão conversar sobre os mais variados assuntos. Da mesma forma que as primeiras pessoas que o garoto conhece assim que chega a sua nova casa, não são exatamente como ele esperaria.

"Eu queria fingir que aquilo não tinha acontecido. Que eu não tinha saído da cama e me arrastado lá pra cima. Que eu não tinha atacado uma escultura com um bastão de beisebol. E acima de tudo, que sob o barulho da madeira contra o mármore, eu não tinha ouvido risadas."
Logo que Seamus chega na propriedade Rowan já vemos que ele não fica muito feliz com o lugar, que apesar de ser enorme e ter muitas salas e quartos, é um lugar vazio, onde o garoto ficará sozinho passando seus dias e noites, apesar de ficar lá sozinho a maior parte do tempo, Seamus foi proibido de entrar em alguns lugares, o que deixou o garoto um pouco frustrado no início. Fora que a decoração cheia de esculturas e quadros com imagens um tanto perturbadoras não é exatamente algo que agrade muita gente, ainda mais um adolescente.

O único lugar da propriedade onde Seamus de fato se sente a vontade é em seu quarto, onde ele pediu ao tio para que ninguém - nem mesmo a equipe de limpeza - entrasse, garantindo que ele deixaria o local arrumado. Mas as coisas mudam quando, mesmo sozinho na casa, Seamus começa a ouvir barulhos no meio da noite e esses sons o fazem acordar.

"Eu queria gritar e pular ao redor deles como um maníaco apenas para ver se eles manteriam o ato de deferência ou iria espancar-me como qualquer pessoa sensata. Por muito enervante que o pessoal silencioso fosse, a ante sala em si era ainda mais assustadora."
Logo de cara conhecemos Seamus, que é o protagonista desse livro, muitas vezes chamado de Shay por seu tio Bosque. Por mais que ele goste de morar em Portland, ele sabe que quando seu tio lhe informou que iria se mudar, não tinha muito o que fazer se não aceitar, então mesmo contra a sua vontade vemos Seamus se despedir de seus amigos e arrumar as suas coisas.

Bosque é o tio do protagonista, aparentemente um homem que vive trabalhando e tem pouco tempo para estar com a família, mas isso não significa que ele deixa seu sobrinho jogado por aí sem nenhum tipo de apoio, a sua ausência é suprida por uma mesada que permite ao sobrinho comprar bastante coisas - mas ele não o faz, mesmo tendo condições caso quisesse.

Logan é a primeira pessoa da sua idade que Seamus conhece assim que chega, mas diferente do que seu tio desejaria os dois apesar de se tratarem de forma educada não possuem os mesmos gostos, e ambos parecem saber que não vão ser amigos. Ao menos não até o momento que um deles estiver disposto a mudar ou pelo menos aceitar alguém que é bastante diferente de si.

"A melhor coisa do inglês é a sua inventividade. Há sempre palavras novas. Se você expressar apenas pelos palavrões padrões, você não está se esforçando o suficiente."
De uma forma geral, o livro como um todo nos apresenta não só os personagens como o mistério envolvido naquela mansão - o que desperta não só a curiosidade do personagem principal como também do leitor que fica querendo entender o que está acontecendo, e principalmente o motivo de tudo isso ter começado depois que o garoto foi deixado sozinho na casa.

A autora soube aproveitar pequenos ganchos para deixar o leitor intrigado com a história e querendo saber um pouco mais sobre tudo o que está acontecendo, despertando o interesse para a leitura da série Nightshade.

"Minha respiração ficou presa em minha a garganta. Depois de todos os pesadelos e referências ao inferno, eu esperava que as fechaduras estivessem guardando alguma coisa horrível. Eu não podia ter estado mais errado."
Os pontos mencionados na leitura se relacionam de forma natural, o que faz com que a leitura aconteça de forma natural. A mansão para onde Seamus muda apresenta muitas características únicas que despertam não só a curiosidade do protagonista, como também de quem está lendo a história que busca entender o que está acontecendo.

"Um homem que parecia ser tanto meu avô como membro de uma gangue de motoqueiros, saiu da casa estilo rancho."
Esse livro - prequel - não chegou a ser publicado no Brasil, por isso essa resenha é feita baseado em uma versão que foi encontrada para download disponível na internet. O que pode resultar em alguns pequenos erros de tradução, mas nada que interfira de forma significativa para o entendimento da história.

"Não só eu estava me mudando para um pequeno castelo, como aparentemente eu tinha sido transportado através do tempo para o século XIX."


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os direitos reservados @2016 - Programação: Algodão Doce Design