Resenha | Destinado (Perdida #3) de Carina Rissi


Ian Clarke é um homem de sorte e sabe muito bem disso. Ele encontrou a felicidade que tanto almejava ao lado de sua amada (e complicada) Sofia. Não que tenha sido fácil — mas o que é simples quando o assunto é sua esposa? O destino tem sido gentil, e por essa razão Ian se esforça tanto para ser um bom marido, um bom pai, um bom irmão.

Entretanto sua felicidade começa a ruir no baile de aniversário de sua irmã, Elisa. Ian assiste, impotente, enquanto sua vida perfeita se transforma em uma terrível catástrofe. A noite é desastrosa, e Elisa, a menina que ele jurou proteger, se torna alvo de um escândalo.

Mas o pior ainda está por vir. Um assunto do passado, um pesadelo que há muito o persegue, retorna para assombrá-lo. Aterrorizado com a possibilidade de perder Sofia outra vez, Ian segue seu coração na tentativa de proteger a mulher que ama, sem se importar com as consequências. Ele só não suspeitava de que o preço a pagar seria tão alto...


 Série Perdida | Romance | 462 páginas | Ano 2015 | Verus | Skoob 
Lido em 1 dia | Avaliação 3 estrelas

 
"Eu esperava por você, Sofia. Eu a amei no primeiro olhar. Eu a amei no primeiro sorriso. E no segundo, e no terceiro, e em todos os que vieram depois. Todo dia eu acordo e penso que é impossível amá-la mais do que já amo. E todo dia eu descubro que me enganei."
Até o momento esse acabou sendo um livro bastante cansativo, no inicio vemos que mesmo sendo almas gêmeas não quer dizer que o casamento de Ian e Sofia vai ser perfeito, afinal, tem muita coisa ainda que faz com que Sofia não seja exatamente como o tipo de mulher que todos da cidade estão acostumados.
"Não existe nada mais extraordinário do que encontrar alguém que nos ama da maneira que somos."
Mas o foco principal dessa história está em Elisa, a cunhada de Sofia que está fazendo aniversário, e para manter a sua reputação acaba ficando noiva, mas não é bem da forma como ela sempre imaginou o que a deixa bem brava com o irmão.
"Este lugar é estranho, de fato. Flerta-se cutucando e perseguindo as pessoas?"
O celular que levou Sofia para esse século aparece novamente, e com medo de que sua amada desapareça Ian o esconde, sem nunca imaginar na possibilidade de que sua irmã Elisa vai acabar encontrando-o, indo parar no mundo confuso e cheio de correria no qual Sofia sempre viveu.
"Acredito que, como tudo mais na vida, as amizades sinceras surgem nos lugares mais inesperados e justamente nos momentos em que mais precisamos."
Esse provavelmente é o livro que eu menos gostei até agora da série, foi o que me pareceu mais arrastado e complicado de levar adiante, já que achei bem cansativo ver o ponto de vista de Ian sobre a 'máquina do tempo' que levou sua esposa até ele, mas um ponto positivo foi ver como a autora conseguiu criar um personagem que mesmo convivendo com alguém com ideias diferentes, quando vem para o tempo de Sofia ele não passa a horrorizar tudo, na verdade passa a entender o ponto dela.
"Como era possível que o mundo tivesse mudado tanto em tão pouco tempo? Menos de duzentos anos separavam aquele mundo do meu. Não era tanto assim, se você parasse para pensar. Como as construções podiam ter ganhado tanta altura? Como os veículos podiam ser tão pequenos e velozes? E as roupas… bem, haviam encolhido e muito, embora nem as damas nem os cavalheiros parecessem constrangidos ao exibir tanta pele. E como as pessoas se tornaram tão… tão… apressadas e pouco corteses?"












"Os cristais dançavam sob as chamas das velas no mesmo ritmo dos acordes do quarteto de cordas."

Diferente dos outros livros da série dessa ez temos Ian como narrador da história e é impossível não ver como ele se encanta com Sofia logo de cara. Um ponto importante desse livro é que você precisa ter lido os anteriores, já que muitas vezes vemos cenas que já se passaram, mas agora com outro ponto de vista, mas ainda sim essa história não gira em torno das outras, é independente e apresenta esses fatos como lembranças.

Quem não se lembra da história, vamos em um resumo bem rápido, em perdida conhecemos Sofia, uma garota típica do século XXI que está acostumada a viver com todas as modernidades que o mundo lhe oferece como celulares, microondas, televisão, mas em um dia ela acaba sendo transportada - por um celular - para o século XIX, sem saber como, lá ela conhece Ian, um homem típico dessa época e eles se encatam um com o outro logo de cara, não demora muito para que percebam os sentimentos que um sente pelo outro, eles se casam, constituem uma família e estão bem próximos de viverem o seu felizes para sempre, ou era isso que eles imaginavam até que o celular que levou Sofia a Ian retorna, em uma tentativa de proteger sua família Ian o esconde, mas quem o encontra é sua irmã - Elisa - e ela acaba sendo levada para o futuro, correndo o risco de assim alterar totalmente a história da família Clarke.


Aos poucos vemos que o século XXI vem sendo algo muito mais complicado para Ian, afinal, a cada dia ele está com a memória pior e lembrando menos de sua vida com Sofia e tudo o que ela representa pra ele, o que pode vir a mudar tudo o que eles se lembram, mas Ian continua se apaixonando por Sofia todas as vezes, reforçando a ideia de que eles estão destinados a estarem um ao lado do outro.

Ainda que seja bem interessante ver a história pelo ponto de vista de um outro personagem, ainda sim não é a melhor história da série. Por vezes vemos as memórias o que faz o livro ficar um pouco cansativo por estamos revivendo coisas que já sabemos mesmo que por outros olhos. Mas a autora continua mantendo a escrita envolvente e fluida que cumpre seu papel de entreter o público que já se encantou pelo casal.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os direitos reservados @2016 - Programação: Algodão Doce Design