Resenha | A Prisão do Rei (A Rainha Vermelha #3) de Victoria Aveyard


No terceiro volume da série que já vendeu mais de 250 mil exemplares no Brasil, tudo vai queimar.

Mare Barrow foi capturada e passa os dias presa no palácio, impotente sem seu poder, atormentada por seus erros.

Ela está à mercê do garoto por quem um dia se apaixonou, um jovem dissimulado que a enganou e traiu. Agora rei, Maven continua com os planos de sua mãe, fazendo de tudo para manter o controle de Norta — e de sua prisioneira.

Enquanto Mare tenta aguentar o peso sufocante das Pedras Silenciosas, o resto da Guarda Escarlate se organiza, treinando e expandindo.

Com a rebelião cada vez mais forte, eles param de agir sob as sombras e se preparam para a guerra. Entre eles está Cal, um prateado em meio aos vermelhos. Incapaz de decidir a que lado dedicar sua lealdade, o príncipe exilado só tem uma certeza: ele não vai descansar enquanto não trouxer Mare de volta.


 Série A Rainha Vermelha | Fantasia | 422 páginas | Ano 2015 | Seguinte | Skoob 
Lido em 1 dia | Avaliação 4 estrelas

 

"Sua fúria me faz girar sem ter onde me segurar, presa numa tempestade que não consigo controlar."
Sejamos bem sinceros, é fácil perceber que sem a ajuda da rainha Elara, Maven está um pouco perdido, ele não parece passar de uma criança que conseguiu mais poder do que imaginava e não sabe ao certo as responsabilidades que vem junto. Ele tenta - a todo custo - manter firme os pilares de seu reino, mas isso se mostra cada vez mais complicado quando ouve sussurros sobre o seu irmão, o príncipe exilado e legítimo rei. Entendemos um pouco o que aconteceu com Maven e o porque ele se tornou essa pessoa amarga.

"Lembro de todas essas mortes. Todo esse sofrimento. A cara da minha irmã quando um agente quebrou sua mão. A expressão de Kilorn quando descobriu que seria recrutado... E finalmente, a dor aflita, a verdade vazia que me perseguiu em todos os momentos da minha antiga vida: eu estava condenada."
O livro começa exatamente no mesmo ponto em que o anterior termina, Mare é prisioneira de Maven que a usa como seu brinquedo particular, exibindo diante dos prateados, ou usando-a para manipular os vermelhos em mais um de seus planos.

"Uma cela ainda é uma cela, não importa como você a decore.- E uma guerra ainda é uma guerra, Mare Barrow. Não importa quão boas sejam suas intenções."
Além disso o livro ainda nos conta a história mostrando um pouco a trama pelos olhos de Mare, Cameron e Evangeline. Vemos uma grande evolução dos personagens desde o início da trama até esse momento e o epílogo já nos deixando ansiosos pelo próximo volume da série.

"Essa é nossa bandeira, nossa rebelião, nossa promessa. Nós nos levantamos contra o poder de Maven Calor e seu trono perverso."

A autora ainda consegue fazer com que passemos a entender o motivo de muitos personagens agirem da forma como agem, e no fim das contas conseguem acabar fazendo com que passemos a amar alguns personagens que desde A Rainha Vermelha estávamos odiando.

"Quando você entra, reza pra sair. Quando sai, reza pra nunca mais voltar."


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os direitos reservados @2016 - Programação: Algodão Doce Design