Resenha | Junho (A Garota do Calendário #6) de Audrey Carlan

Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...

Mia vai passar o mês de junho em Washington com Warren, um coroa rico que precisa de uma mulher a seu lado para tratar com políticos e investidores. O acordo entre eles não envolve sexo... já com Aaron, o filho de seu cliente, Mia não pode garantir...


 Série A Garota do Calendário | Erótico | 160 páginas | Ano 2016 | Verus | Skoob 
Lido em 1 dia | Avaliação: 4 estrelas

  

"Segui através do desfile de velhos colados a corpos firmes de mulheres consideravelmente jovens. Eu quase podia imaginar minúsculas algemas prendendo aquelas mulheres, assegurando que elas nunca ficassem longe da carteira de seus homens. Que nojo."
Esse provavelmente é o primeiro livro da série em que é retratado o lado feio da profissão de acompanhantes e não é diretamente pelo cliente do mês de Mia e sim pelo filho dele, mas sendo seu cliente uma pessoa influente, é fácil para ele que vai conseguir comprar o silêncios de Mia sobre o que aconteceu ali.

"Aaron fez um zumbido com a garganta. Um ruído que eu pude sentir por todo o corpo, até os dedos dos pés. Ele se inclinou perto do meu rosto, tão próximo que senti sua respiração quando ele sussurrou em meu ouvido"
Mas vamos voltar um pouco mais ao inicio desse mês, quando Mia chega na residência de seu novo cliente os Shipley. O Sr Warren Shipley está acostumado a participar de eventos onde encontra vários homens muito bem sucedidos como ele mas que estão sempre exibindo uma linda e jovem acompanhante feminina, é aí que entra Mia, ela foi contratada para ser a acompanhante de Warren nesses eventos, mas desde de que chega na residência da família, vemos que a estadia dela lá nesse mês não vai ser são fácil graças a companhia do jovem Aaron, um jovem político, que não a vê como nada mais do que um brinquedinho do pai, uma simples prostituta, por mais que a garota já tenha dito com todas as letras que o sexo não faz parte do contrato, mas Aaron não parece ser o tipo de pessoa muito disposta a ouvir, principalmente se for algo que ele não concorda ou não quer.

Diferente da maioria dos homens com quem Warren está lhe dando, as intenções dele são boas, ele quer ajudar ajudar a salvar pessoas no terceiro mundo, mas ele precisa do apoio desses homens e ter a companhia de Mia é algo importante para isso, para mostrar que ele é um deles.

"Engoli em seco quando o vômito subiu do estômago até a garganta. Se ele não saísse dali, eu vomitaria em cima dele, o que seria um castigo perfeito pelo que havia feito. Empurrei seu peito com força, saindo da cama, quase sem conseguir alcançar a lata de lixo ao lado da mesa, e botei o café da manhã para fora."
Algo muito sério acontece nesse livro, mas vemos com a relação que Mia vem construindo com a maioria dos seus antigos clientes é muito mais do que só profissional, eles de fato se tornaram amigos, em muitos casos até família, graças a um antigo cliente que ela é salva de ser estuprada e ainda ganha a companhia de Tai, que mesmo estando bem feliz com a nova namorada viaja para estar ao lado de Mia, assim que fica sabendo do que aconteceu com a amiga.

"Eu soube imediatamente para onde boa parte daquele dinheiro iria: para o casamento da minha irmã com o homem dos seus sonhos. Eu guardaria pelo menos dez ou quinze mil e me certificaria de que ela tivesse o casamento que sempre sonhou, pago pela família dela, não pela dele. Os Rains eram pessoas incríveis, e, obviamente, eu adorava a ideia de minha irmã ter uma família tão legal, mas ela era minha irmã. Minha  responsabilidade, até que tivesse a aliança no dedo esquerdo. Eu mal podia esperar para contar a ela!"
Esse mês assim como tantos outros deixam marcas importantes na vida de Mia - nesse caso marcas que ninguém deveria passar - mas nos faz ver o quando ela já cresceu e amadureceu desde que começou essa jornada, mas como ainda tem alguns pontos fortes que precisa desenvolver.

"Enquanto eu evitava os homens de smoking e as mulheres usando peças da última moda em alta-costura, pensei no que havia sido dito. Eles me amavam e eu era parte da família. Duas pessoas que conheci durante um mês me consideravam parte deles. Como família. Logicamente, não a família em que eu havia nascido. Isso seria impossível. Era a família por opção."


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os direitos reservados @2016 - Programação: Algodão Doce Design