[Resenha] A Guardiã - Melissa Marr

Título: A Guardiã 
Autora: Melissa Marr
Páginas: 384
Editora: Rocco
Lançamento: 2012
Nota: 4/5
Skoob
Maylene Barrow tem um ritual sagrado, cumprido religiosamente há décadas: em cada funeral na pequena Claysville, uma pacata cidadezinha americana, ela toma três goles de uma mistura de água benta com uísque da melhor qualidade, e murmura, como que para ninguém: “Dos meus lábios para seus ouvidos, seu canalha. Ele foi muito amado e continuará sendo.” Depois, avisa ao morto: “Durma bem e permaneça onde eu o deixar.” Por três meses, ela ainda visitará a sepultura, despejando outros três goles da bebida na terra, em uma rotina bizarra aceita por todos da comunidade. Quando Maylene é brutalmente assassinada, sua neta Rebekkah, há anos fora, volta para o enterro da avó, disposta a dizer adeus e ir embora de vez. Mas nada é tão simples em A Guardiã nova incursão pelo universo fantástico da autora best-seller Melissa Marr que a Rocco publica no Brasil.
Para Bek, como Rebekkah é conhecida, Claysville é uma grande ferida aberta. Foi ali que ela viveu os melhores anos de sua vida, quando sua mãe, Julia, se casou com Jimmy, o filho de Maylene, que, apesar de não ser sua avó de sangue, sempre a considerou sua neta verdadeira. Foi nas ruas da perfeita cidade que ela traiu a confiança de sua meia-irmã de coração, Ella, ao cair de amores por Byron, herdeiro da única funerária do local, em uma paixão arrebatadora. E foi ainda em um dos vários cemitérios do local – cemitérios demais para um lugar tão pequeno – que ela deu adeus a Ella, que se suicidou quando as duas ainda eram adolescentes. Com tanta dor e mágoa, tudo que Bek quer é esquecer de vez o passado, mas, ao investigar a morte de Maylene, ela descobre que seu passado e seu futuro estão irremediavelmente ligados a Claysville e a Byron, o homem que ela abandonou diversas vezes nos últimos anos.
Aos poucos, uma verdade terrível, escondida do casal por todos, é revelada para Bek e Byron. Juntos, eles carregam o fardo que há 300 anos é passado de geração em geração às mulheres da família Barrow e aos homens da família Montgomery. Ela é a Guardiã, encarregada de cuidar dos mortos de Claysville. Ele é o Guia, cuja tarefa é proteger a Guardiã e de levá-la e trazê-la da terra dos mortos. E os mortos da cidade não são como os outros. Um pacto terrível feito pelos fundadores da comunidade com uma figura que eles consideravam o demônio, e cobrado com tenacidade pelo misterioso Sr. M, ou Charles, faz com que em Claysville os mortos precisem de ajuda para ficar sob a terra e fazer a travessia para o outro lado.
E se eles não tiverem essa ajuda, se não contarem com a Guardiã e se não tiverem o seu Guia, os mortos retornam para Claysville. E voltam famintos e violentos, como Daisha, a jovem que Maylene tentou ajudar e que é uma peça nas mãos de uma força vingativa quer destruir Rebekkah, Byron e a própria cidade, o lugar que Bek finalmente entenderá ser seu lar, se ela aceitar seu destino e uma vida com o homem que será para sempre seu guardião.
"Chris tinha seguido em frente, mas parou por um instante e olhou de volta para Byron com uma postura nitidamente contestadora - os ombros para trás, o queixo erguido e os lábios arqueados em um sorriso que não era lá muito amigável."

As mulheres da família Barrow possuem um dom e uma maldição que é passado a cada geração, elas devem cuidar dos mortos e os homens da família Montgomery são responsáveis por mantê-las em segurança, então não é estranho ver que mesmo antes de saberem de suas obrigações as mulheres e os homens dessa família desenvolvam um grande interesse pelo outro.

O livro é cativante desde suas primeiras páginas, a cada novo capítulo a autora desperta novas perguntas na mente dos leitores, perguntas que são respondidas no decorrer da trama. você se sente tão envolvido na trama que não é estranho parar e pensar que em uma viagem de carro você pode acadar esbarrando com Claysville ou um de seus moradores não que eu queira isso, afinal percebemos que os moradores da cidade são bem estranhos.

Além dos protagonistas outro personagem que merece destaque é Charles, afinal, é impossível definir o que sentimos com relação a ele, sabe aqueles personagens que você não faz a menor ideia se ama ou odeia? Pois é, ele se enquadra neles, ele ajuda a guardiã e o guia, mas também dificulta bastante a vida deles quando querem.

Algo que me surpreendeu bastante foi quem estava matando as pessoas para transformá-la em mortos, sabe aqueles persoangens que por mais que você não goste, também não imaginaria que eram capazes de fazer isso? Ela é dessas.

Outro ponto bem positivo do livro é que por mais que Rebekkah e Byron sejam jovens, eles são personagens bem maduros e que não tem medo de enfrentar o perigo, mesmo que isso possa custar a vida de um deles.

A pequena cidade de Claysville - onde temos mais mortos do que vivos - irá te conquistar, seja pelo fato de seus moradores nunca ficarem doentes, por ninguém poder ir embora pra sempre, por ter os mais estranhos rituais respeitados, ou simplesmente por os mortos não se manterem nessa condição se não receberem os devidos cuidados.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos os direitos reservados @2016 - Programação: Algodão Doce Design